Blog

Insegurança: entenda este mal e saiba como lidar com ele

Publicação 18 fev 2016 by JS Treinamentos & CoachingAchar que não é capaz, que não vai conseguir, que é menos do que os outros… Quem nunca se sentiu assim? Geralmente acompanhada de ansiedade, angústia e medo, a insegurança é bastante prejudicial à nossa vida. “A insegurança pode gerar grandes malefícios, pois algumas vezes não fazemos as coisas por medo que dêem errado e depois nos arrependemos por não termos sequer tentado”, diz o psicólogo Luis Flávio Mendes Evangelista.

Além do sofrimento emocional e psíquico, sentir insegurança também pode fazer mal à saúde. Luis Flávio afirma que quando deixamos de fazer algo que queremos devido à insegurança, o conflito pode ser intenso a ponto de afetar o bem-estar e o sistema imunológico, facilitando o aparecimento de algum problema de saúde. A boa notícia é que ninguém precisa sofrer desse mal calado. Seja qual for o problema, ele pode ser resolvido com orientação médica e atitude positiva.

A insegurança nos relacionamentos

Duas pessoas se encontram, vão se conhecendo aos poucos e acabam se apaixonando. Começam um relacionamento e se dão muito bem. Um dia, esse relacionamento acaba sem motivo aparente, sem nenhum dos dois ter feito nada de grave ou deixado de gostar do outro. Não é raro ouvirmos ou vivermos histórias assim. O que é raro é perceber que a grande vilã desses contos de fadas pode ser a insegurança.

“A falta de segurança que observamos em alguns relacionamentos é gerada por vivências anteriores. É comum ouvir o relato de casais que têm seu relacionamento abalado por experiências passadas vividas por uma ou ambas as partes”, relata o profissional.

E como isso pode desgastar um relacionamento? “Os envolvidos transferem a vivência passada para o relacionamento atual e acabam sentindo dificuldades para acreditar no outro, ou insegurança para definir os rumos do relacionamento por medo que uma história traumática se repita”, alerta o psicólogo.

Seja para melhorar o modo de ver o mundo, a saúde ou o seu relacionamento, é preciso identificar a insegurança e investir tempo e cuidados para livrar-se dela. Muitas vezes, a pessoa precisa do apoio de um psicólogo para entender o que está acontecendo e buscar maneiras de superar o problema. Nessa hora, o apoio de amigos e familiares, que poderão mostrar e enfatizar os momentos de sucesso e superação em sua vida, também é muito importante.

Quer começar a enfrentar o problema agora mesmo? Aí vão algumas dicas, exercícios que você pode fazer para pensar e, futuramente, agir de maneira diferente.

-       Pense nos momentos em que sentiu que as coisas não dariam certo, ou que você não seria capaz de realizar uma tarefa e conseguiu.

-       Mesmo quando algo não ocorrer da maneira que você esperava, seja otimista. Lembre-se do que você fez certo e evite focar sua atenção no que deu errado.

-       Pensar positivamente deve começar como um exercício, e tornar-se um hábito. Isso não quer dizer que você não deva se preparar para eventualidades. Prepare-se para lidar com qualquer desfecho, mas não gaste sua energia pensando no que vai sentir se tudo não sair como você deseja.

-       Pesquise casos semelhantes ao seu. Em revistas, livros, documentários, na internet. Ver como outras pessoas reagiram em situações parecidas às que você enfrenta é uma maneira de sentir que você não é a primeira pessoa a enfrentar um problema e que, independente das dificuldades que encontrar pelo caminho, você conseguirá lidar com ele.

-       Converse com amigos e parentes e ouça opiniões. Elas não devem determinar o que você vai fazer, mas podem ajudá-lo a enxergar a mesma situação sob diferentes pontos de vista.

Depois do primeiro passo, que é entender que a insegurança serve apenas para atrapalhar sua vida, fica muito mais simples identificar o que está errado e encontrar o caminho para resolver. Pensar e agir de maneira mais positiva, com ou sem ajuda profissional, não tem contra-indicações e sem dúvida vai fazer uma grande diferença na sua qualidade de vida.

Fonte: ciauniao.com.br

Sem comentários.

Postar um comentário