Blog

Como controlar a ansiedade

Publicação 07 mar 2016 by JS Treinamentos & CoachingA ansiedade nada mais é do que a percepção de algo ruim pode acontecer. Esta sensação de nervosismo pode ser vivenciada por toda e qualquer pessoa e não significa, necessariamente, que exista um perigo real iminente. “Ao sentir a percepção de ameaça, a resposta do organismo é de autoproteção. Ele ativa as sensações corporais e percepções acerca da situação, o que provoca sintomas tanto físicos quanto cognitivos”, descreve a terapeuta cognitiva comportamental Michelle Vieira Bernardo, presidente da Aporta – Associação dos Portadores de Transtornos de Ansiedade.

Segundo explica a especialista, o sentimento é uma reação natural do corpo e não deve ser encarado como algo negativo – exceto quando acontece em níveis elevados. “Existem inúmeras situações em que ficamos ansiosos. A ansiedade, uma vez que se mantenha no nível ideal, é capaz de motivar as pessoas, de aumentar o nível de atenção e prepará-las para enfrentar de forma melhor as situações de estresse”, esclarece a terapeuta. “É natural, quando temos de fazer uma prova importante, que tenhamos a ansiedade aumentada. O mesmo ocorre em entrevistas de emprego, nascimento do filho, situações que vivenciamos pela primeira vez, etc.”, completa.

Sintomas da ansiedade

O natural é que, após este temporário aumento no nível de ansiedade, uma vez acabada a situação estressante, o organismo volte ao seu estado normal. No entanto, quando isso não acontece, significa que a pessoa atribuiu a esta situação de perigo – mesmo que imaginário –um novo significado, o qual poderá expandir-se para outras situações. Em outras palavras, a pessoa pode ficar, de certa forma, traumatizada e passar a sentir esse mesmo nível elevado de ansiedade em outras ocasiões, ainda que estas não tenham relação direta com a primeira.

“A ansiedade só causa prejuízos quando a pessoa não sabe gerar seu auto equilíbrio, ou seja, avaliar a situação e perceber que o perigo já não existe mais. Se isso não acontece, os níveis elevados de ansiedade passam a gerar problemas”, explica a especialista.

Basicamente, o quadro pode levar a:

Comportamentos de evitação ou fuga de situações;
Congelamento;
Inquietação;
Insônia, entre outros.

“Portanto, quando há alta intensidade, duração prolongada, episódios frequentes de muita ansiedade e interferências negativas na vida social, familiar e pessoal, dizemos que a ansiedade passou a ser um problema e deve ser tratada”, define a terapeuta.

Tratamento para ansiedade

A pessoa que sofre de ansiedade pode desenvolver doenças denominadas “transtornos ansiosos”. Eles incluem fobias (social, específica ou

agorafobia, que é o medo de frequentar locais dos quais seria difícil ou embaraçoso escapar), transtorno do pânico, transtorno de ansiedade generalizada, transtorno obsessivo-compulsivo e até mesmo transtorno de estresse-pós-traumático. Além disso, estudos apontam a relação da ansiedade com hipertensão, insônia e obesidade, dentre outras doenças.

A pessoa que sofre de algum destes transtornos necessita de acompanhamento psiquiátrico e terapêutico. O tratamento consiste em ensinar o paciente a controlar seus níveis e entender seus desencadeadores. Em alguns casos, a terapia é complementada com o uso de medicamentos.

Exercício para ansiedade

Quem não possui o distúrbio mas busca formas de controlar seus níveis de ansiedade deve realizar, no dia a dia, exercícios de relaxamento, respiração e atividades físicas. “Uma vez que a ansiedade é uma sensação de desconforto causada no organismo, o exercício físico é capaz de combater o sintoma ao gerar a sensação de bem estar”, defende Michelle

“Se alguém sente que a ansiedade começou a trazer prejuízos, como não conseguir parar de pensar em determinada situação, ficar antevendo mil problemas para um evento que nem sequer está acontecendo, observar sensações físicas em situações tidas como normais por outras pessoas, é importante que procure uma avaliação psicológica ou mesmo psiquiátrica, para não deixar que o problema atinja o nível de um transtorno de ansiedade”, alerta a terapeuta. “Por vezes, o melhor remédio para a ansiedade é o autoconhecimento sobre seu estado corporal e sobre seus pensamentos, e como estes interferem diretamente no seu corpo”, completa.

Tente fazer o seguinte exercício:

Respiração quadrada

Sente-se confortavelmente e foque toda a atenção somente no seu corpo. Observe sua respiração. Mantenha a boca fechada durante todo o exercício.

1 – Inspire o ar enquanto conta, lentamente, até três;

2 – Segure o ar nos pulmões e conte, na mesma velocidade, até três;

3 – Expire o ar contando até três;

4 – Mantenha-se sem ar até contar, novamente, até três;

5 – Retorne ao passo 1.

Você deve repetir o exercício durante um minuto. É importante fazer pausas entre os ciclos, para evitar tonturas. Se estiver se sentindo bem, retome a sequência, desta vez durante três minutos.

Fonte: vidasuave.com.br

Sem comentários.

Postar um comentário